OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 26 de agosto de 2019

Colunistas

Ivan Nunes Ivan Nunes
É jornalista profissional. Há mais de 20 anos escreve sobre os bastidores da política na Zona da Mata alagoana.
15/11/2017 às 10:20

Professores acusam a Semed de União dos Palmares de não cumprir os 200 dias letivos

Sindicato tem sido vigilante para evitar colapso na educação de União Sindicato tem sido vigilante para evitar colapso na educação de União

Rendido à secretária-cunhada de Educação da Prefeitura de União dos Palmares, o prefeito Areski Freitas se aproxima da maior dor de cabeça dos últimos dias, caso o Sinteal bote o pé na parede, mas mesmo assim, as queixas ecoarão nas mesas dos promotores de Justiça Carlos Davi Correia de Lima e Adilza Freitas.

No primeiro ano de governo do prefeito, que se afunila para os seus últimos suspiros, os 200 dias letivos não serão cumpridos e, se for para a ponta do lápis, passa pouquinho dos 150 dias, bateu uma fonte. 

Para os professores contratados a vida útil para Rimelq Lins, esposa do secretário de Finanças de Kil de Freitas, Jorge Luiz, acaba agora, dia 30 de novembro e nem um minuto a mais.

Já os efetivos terão uns dias de sobrevida, ficam até a segunda semana de dezembro. Essa situação provocou uma avalanche de queixas e protestos de alguns professores, que expressam sua indignação nas redes sociais e ela se prolifera pelo chão, como rama de batata doce.

O blog teve acesso a umas das críticas inteligentes do sistema falido de educação do prefeito Kil de Freitas, que você confere, logo a seguir:

"Infelizmente, o que vem se constatando com relação aos profissionais da educação, é o total descaso e desrespeito com a classe dos professores da rede municipal de ensino, quando a secretária de educação do nosso município  não implantou o reajuste salarial de míseros 3% que ficara de implantar na folha de outubro, e pior que isso, quando efetuou o desconto da folha desses servidores, ela cometeu o pior desatino possível que um gestor poderia fazer, uma vez  que tem consciência de que a categoria está com seu salário defasado e abaixo do piso nacional, desrespeitando a Lei do FUNDEB. Isso é uma afronta e uma total desvalorização dos profissionais da educação. É uma forma de intimidação, de terrorismo psicológico que desqualifica e deixa sem razão a gestão do Sr. Prefeito Areski Freitas Kil I, que certamente aguçará mais ainda o sentimento de repúdio dos profissionais da educação a essa gestão omissa e descompromissada COM A EDUCAÇÃO DO NOSSO MUNICÍPIO.

Reitero aqui o total repúdio às ações desastrosas, covardes e de má-fé do atual governo. 

Compete, agora, ao Sindicato da categoria, ao Conselho Municipal de Educação ( que em “tese” valida o calendário) e ao Conselho do Fundeb e a sociedade como um todo, exigir desta gestão a garantia do cumprimento, mínimo, dos 200 dias letivos aos quais os alunos têm direito."

Essa opinião sincera, verdadeira do professor que o blog preserva o seu nome, levou a secretária-cunhada do prefeito Kil a emitir uma nota, onde ela acusa a negligência total da Procuradoria do município. O blog reproduz o documento que Rimelc Lins soltou, justificando a trapalhada de Belarmino Soares. Confira numa outra postagem nesta mesma matéria.

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2019 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.