OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 23 de junho de 2017

Colunistas

Mario Lima Mario Lima
Mário Lima tem 59 anos, 32 como jornalista profissional, começou em 1985, no lendário Jornal de Alagoas, dos Diários Associados. Foi secretário de Estado Adjunto de Comunicação do governo de Alagoas (2008-2014). Atuou e atua em Alagoas, Minas Gerais e Brasília, em veículos como Radiobras/Agência Brasil (DF), jornais Hoje em Dia (MG), O Globo (RJ), Gazeta Mercantil (SP), Gazeta de Alagoas, Tribuna de Alagoas, Extra (AL); Agência Sebrae de Notícias (DF), Agência Reuters (SP). É escritor e biógrafo. Vencedor de três edições do prêmio Banco do Brasil/ Braskem de Jornalismo (2000, 2003, 2005); prêmio Nacional Embrapa de Reportagem (2003) e uma medalha de prata do 19º Prêmio Colunista de Brasília, pela série institucional do Sebrae Nacional Parceiros do Brasil (2003).Tem uma loja virtual de arte pop e contemporânea, no endereço www.orelikario.com.br
09/05/2017 às 07:13

Bicho-de-pé continua a atacar comunidade Sururu de Capote

Inseto – uma espécie de pulga que deposita ovos na pele dos seres humanos Inseto – uma espécie de pulga que deposita ovos na pele dos seres humanos

Deus criou tudo na terra
desde o grilo ao urubu
fez para os alagoanos
a lagoa Mundaú

Os versos do mestre em xilogravura e cordelista, o alagoano Enéas Tavares dos Santos, o famoso Pica-pau, ilustram uma reportagem do jornal alternativo Viramundo - edição de maio de 2017 -, um projeto de extensão composto por estudantes dos cursos de Direito e Comunicação Social da Universidade Federal de Alagoas. A publicação volta a trazer a denúncia, sobre a infestação de bicho-de-pé na Orla Lagunar de Maceió, mas precisamente na comunidade Sururu de Capote, no Vergel do Lago.

De acordo com o jornal Viramundo, desde janeiro deste ano, este inseto – uma espécie de pulga que deposita ovos na pele dos seres humanos e que provoca ulceração, dores e coceiras, vem afetando a população do local, inclusive muitas crianças da favela. O fato teve grande repercussão na mídia local e nacional.

A equipe do jornal entrevistou a líder comunitária da comunidade, Maria das Graças Ferreira da Silva, 52 anos, que confirmou o surto, e disse que o problema continua e ela reclama da prefeitura de Maceió, que apesar da limpeza realizada em janeiro, “está tudo sujo de novo”.

“Percebi que uma família estava infestada pelo bicho-do-pé, e até trouxe uma das meninas para cuidar em casa. Eu estava fazendo um soro caseiro, mas era tão sério que não adiantava. É transmitido pelo porco, pelo cavalo, pelo cachorro. Aí é uma pulguinha que você não vê vem e pica as pessoas. O adulto também, não se cuida, não toma banho. Não porque querem, mas porque o ambiente em que vivem, e o descuido público, deixam eles assim. Mas as maiores vítimas são as crianças”, denuncia Maria das Graças.

Outro lado
A prefeitura de Maceió, na última postagem sobre o assunto, no final de janeiro, confirma que a visita ao local foi motivada pelos muitos casos de Tungíase, doença conhecida como bicho-de-pé, nos moradores da comunidade. “As pessoas diagnosticadas estão recebendo o devido tratamento, mas é muito importante que a população siga as orientações que estão sendo repassadas pelos profissionais de saúde, para que o tratamento tenha eficácia, como usar calçado para que as crianças e os adultos possam se proteger”, disse a secretária de Assistência Social, Celiany Rocha.

Projeto Viramundo
O jornal Viramundo, editado por estudantes dos cursos de Direito e Comunicação Social da Universidade Federal de Alagoas, tem por objetivo principal produzir e distribuir conteúdo informativo impresso e online (no face @jornalviramundo, e no blog https://viramundojornal.wordpress.com/sobre/), de maneira livre e gratuita. O princípio norteador do jornal é a democracia e pluralidade de vozes, destacando a importância da comunicação para a construção da justiça social.

“Adotamos como entendimento central o fato de ser a mídia hegemônica responsável por um controle tendencioso dos meios de comunicação, favorecendo e coadunando, desta forma, com os interesses das classes dominantes, em detrimento do direito de acesso à informação e liberdade de expressão da sociedade como um todo. A lógica consiste, basicamente, em: diminuir os espaços de debate e, consequentemente, propiciar o enfraquecimento da democracia popular e a desmobilização das classes”, assinala trecho de postagem do face book do jornal.

Comentários

secom-saude3
Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 3028-7338 (Redação)

© 2017 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.