OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 22 de novembro de 2017

Colunistas

Valderi Melo Valderi Melo
É jornalista profissional formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) desde 1994. Há 20 anos escreve sobre os bastidores da política alagoana.
13/09/2017 às 01:29

“STF não se curvará a denúncias vazias do MPF”, diz Renan

“STF não se curvará a denúncias vazias”, diz Renan em recado ao MPF “STF não se curvará a denúncias vazias”, diz Renan em recado ao MPF

O uso político das instituições e os últimos acontecimentos envolvendo o Ministério Público Federal foram temas do discurso do senador Renan Calheiros, nesta terça-feira (12). Usando um tom duro e mostrando indignação após ter sido acusado injustamente num processo que foi arquivado após pedido da procuradoria, o parlamentar voltou a cobrar que sejam revistas a validade das provas produzidas neste cenário de delações.

“O País passa por tempos difíceis. Além da forte crise econômica, existe uma tensão institucional alimentada pelo procurador-geral da República. Agora que suas lambanças vieram à tona ele tenta desviar o foco disparando denúncias em série. Investigações precárias em massa e sem provas terminam por acarretar prejuízo sem precedentes à representação popular. É evidente que isso não faz bem à jovem democracia brasileira, que precisa ser regada todos os dias”, afirmou o senador.

O parlamentar lembrou ainda a forma como foram conduzidas as delações da J&S. “A ambição desenfreada pela dinheirama dos irmãos Batista estimulou o ex-procurador da República Marcello Miller, Eduardo Pelella e Anselmo Cordeiro Lopes a ultrapassar os limites de suas funções para ajudar criminosos a escamotear provas e obter prêmios generosos, com o beneplácito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot”, colocou. 

“O procurador-geral sustentou o sigilo das gravações de Joesley Batista até quinta-feira passada, tentando de todas as formas impedir que fossem divulgadas, exatamente porque sabia da gravidade do seu teor”.

Em diversos momentos, Renan ressaltou a importância da Operação Lava Jato e ao combate à corrupção, mas não poupou críticas a forma que as denúncias têm sido conduzidas pela procuradoria da República. “Como deputado constituinte trabalhei pela ampliação e fortalecimento das irrevogáveis prerrogativas do Ministério Público, dotando-o dos instrumentos necessários para bem exercer a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Certamente por isso me revolte ao perceber o uso político da instituição, promovendo a desinformação e vazamentos jamais investigados de processos sob segredo de justiça”.

Para o senador alagoano o combate à corrupção deve ser desenvolvido de forma permanente. “Essa é uma luta que não admite recuos. Tenho críticas pontuais e se direcionam apenas aos métodos utilizados por setores minoritários dos órgãos de persecução penal. Confio, sinceramente, que o Supremo Tribunal Federal saberá separar o joio do trigo e não se curvará a denúncias vazias e de conteúdo apressado”, completou.

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 3028-7338 (Redação)

© 2017 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.