OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 17 de outubro de 2017

Colunistas

Valderi Melo Valderi Melo
É jornalista profissional formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) desde 1994. Há 20 anos escreve sobre os bastidores da política alagoana.
10/06/2017 às 19:37

Livre da cassação, Temer vai jogar duro contra PGR, PF e Lava Jato

Temer deve preparar munição pesada para enfrentar novos avanços da Lava Jato Temer deve preparar munição pesada para enfrentar novos avanços da Lava Jato

Aliviado com o resultado obtido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) onde escapou da cassação [os ministros absolveram a chapa Dilma-Temer por quatro votos contra três], o presidente Michel Temer (PMDB) deve preparar munição farta para enfrentar possíveis novos ataques da Polícia Federal e principalmente da Procuradoria Geral da República (PGR) – leia-se Rodrigo Janot -, além do relator da Lava Jato no STF, ministro Luiz Edson Fachin.

Pelo menos essa é a avaliação que parte da imprensa do Sul faz sobre os próximos passos de Temer, que mesmo enfraquecido diante de tantas denúncias, ganhou fôlego com o resultado no TSE. Temer, segundo se avalia, decidiu ir para o enfrentamento contra o avanço da Lava Jato. Uma das estratégias será mudar o comando da Polícia Federal. O primeiro passo foi dado com a troca do ministro da Justiça. Saiu o deputado Osmar Serraglio e entrou Torquato Jardim

Mas a principal munição será contra o Ministério Público Federal e o PRG, Rodrigo Janot, diz o blog de Gerson Camarotti, no G1. Diante disso, Temer já cogita quebrar a tradição, e se for preciso, indicar um nome de fora da lista tríplice em setembro para a vaga de Janot na Procuradoria-Geral da República. Temer que aproveitar o sentimento de medo que toma conta da classe política para partir com tudo contra a Operação Lava Jato. 

Ainda segundo o blogueiro, em outra frente, aliados de Temer preparam a CPI da JBS para servir como apoio na artilharia contra a empresa que o delatou ao senador Aécio Neves. A CPI deve virar palco não apenas para atingir a empresa, que de fato tem muita fragilidade, mas também de munição contra métodos da Lava Jato para obtenção de provas.  Temer sabe que ganhou um pequeno fôlego com a conclusão do julgamento do TSE nesta sexta-feira. 

Mas que terá pouco tempo para uma reação.  Diante disso, aliados avaliam que o governo não terá mais capital político para retomar o calendário original das reformas. 

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 3028-7338 (Redação)

© 2017 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.