OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 22 de fevereiro de 2018

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) é editor-geral do AL1.
29/01/2018 às 15:12

Jornalismo “sugestivo” incentiva as Fake News na política alagoana

O bom jornalismo tem sofrido, diariamente, socos e pontapés de todos os modos e lados. Aliás, ter um lado facilita, e muito, a produção do jornalismo político sugestivo, uma nova modalidade na comunicação, que tem se sobressaído ao estilo investigativo.

Quando você estiver lendo um texto, cuja manchete contém “pode”, “deve”, “talvez” ou for afirmativa, desde que PARA ACONTECER haja uma série de combinações, preste a atenção, porque aquilo pode ser uma fake news.

Outra dica é perceber no conteúdo se há “ataque”, “insulto” entre terceiros ou “achismo”.

Também entra na dica o volume de factoides sobre o mesmo tema ou mesmos alvos.

A fake news, que virou preocupação até para o Papa Francisco, substituiu o velho e poderoso boato. A versão boateira digital é tão contagiante que faz com que não haja perfil definido para a disseminação do conteúdo. O difícil é provar. Aliás, como provar um boato, quando o assunto é política?

O que os estudiosos já sabem é que toda fake news tem endereço certo e que os efeitos são devastadores. Interessante é que não se produz fake news para ajudar ou mostrar bons exemplos.

Papa definiu muito bem

"Primeiras fake news vieram da serpente que enganou Adão e Eva. As notícias falsas são um sinal de intolerância e de atitudes hipersensíveis e levam apenas à propagação da arrogância e do ódio”, afirma Francisco.


Fake News
: se você produz ou compartilha, saiba que tudo que sobe, desce. Analogicamente falando, o pau que bate em Chico, bate em Francisco

Comentários

gessinger
Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.