OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 21 de junho de 2018

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
14/03/2018 às 06:35

Que drible foi esse, que deixou Biu e Arthur em cima do trator, mas sem implementos?

Numa eleição complexa, como a que se aproxima, vencerá quem seguir o planejamento estratégico à risca. Neste item Renan Calheiros é Mestre.

Os erros de Biu e Arthur
Um dos principais nomes do PP nacional, o deputado federal Arthur Lira se apequenou durante todo processo pré-eleitoral, em Alagoas. Pensou apenas nele e no pai, mas não trabalhou, em nenhum momento, as composições proporcionais, principal base de sustentação de qualquer candidatura. Arthur, mesmo nocauteado com o drible de Renan, tem tudo para ser o deputado federal mais votado em 7 de outubro. O risco de derrota é mínimo, porque ele tem trabalhado para ser o líder de votos.

Benedito de Lira, com meio século de atividade política, continua trabalhando como um trator, em busca de uma reeleição cada vez mais ameaçada. O decano seguiu as desorientações do monocrático Arthur e precisará correr muito chão para não ser esmagado pela máquina federal, muito bem utilizada pelos ministros e concorrentes ao Senado, Marx Beltrão e Maurício Quintella.

O drible político de Renan deixou Benedito e Arthur com terra para trabalhar e os tratores oriundos de suas emendas parlamentares, mas ficaram sem os implementos necessários para consolidar a dobradinha. Por conta do erro BÁSICO estratégico, o PP foi o partido mais atingido com a ausência de um candidato majoritário. O castigo será o trabalho dobrado para montar uma chapa proporcional, buscar um plano B para o governo e ainda amargar a incerteza das coligações.

Esqueceram do óbvio
Numa eleição geral esquecer que existem parceiros é um suicídio anunciado.

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.