OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 19 de julho de 2018

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
10/07/2018 às 16:03

Sem dinheiro ‘sujo’, número de candidatos em Alagoas despenca

Os efeitos práticos pós Lava Jato vão além das prisões e cassações de políticos acusados de corrupção.

Os números preliminares da corrida eleitoral em Alagoas apontam para uma debandada geral, de candidaturas, e um dos motivos está no dinheiro sujo, a maioria em forma de 'doação oficial de campanha'. 

Sem o financiamento privado é esperado que a eleição continue cara, mas inviável para quem não tem pedigree (estrutura e colégios eleitorais).

NÚMEROS COMPARATIVOS
Nas eleições de 2014 Alagoas teve 8 candidatos ao governo, 7 ao senado, 100 federais e 290 estaduais.

Das candidaturas a federal apenas Polyana Nobre (PTC) teve zero voto e só 18 nomes passaram dos 10 mil votos. Para estadual apenas 45 candidatos receberam mais de 10 mil votos. 9 deles não receberam voto e 62 não atingiram a marca de 1 mil votos.

ELEIÇÕES 2018
Há 10 dias do início das convenções partidárias, apenas 3 nomes aparecem para disputar o governo contra Renan Filho. No comparativo com 2014, este número representa uma baixa de 50%.

Para o senado, 5 nomes estão com as pré-candidaturas formalizadas. Em 2014 eram 7 para uma vaga; agora são 5 para duas vagas (=2,5 pra 1).

Por conta das coligações o número de candidatos a federal deve cair, mas para os que miram até suplência, a baixa deve atingir algo em torno de 60%

Para deputado estadual é que o bicho pega. A redução deve passar dos 70%. Será um recorde de poca urnas, com votação abaixo de 10 votos.

MORAL DA HISTÓRIA
A brincadeira está mais cara e muito mais arriscada. O bom da treta é que o eleitor apresenta sinais de mudança de comportamento nas urnas. 

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.