OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 16 de outubro de 2018

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
09/10/2018 às 08:21

Renan Filho, Rodrigo, JHC e Marx são os novos protagonistas. Arthur é um capítulo à parte

Daqui pra frente Renan Filho só pensa em chegar onde Rodrigo vai estar. Rodrigo, em 2022, vai quer estar onde Renan Filho está. A missão de JHC está anunciada: Ele quer ser prefeito de Maceió, em 2020. Já Marx Beltrão terá alguns dias para decidir e se preparar, profissionalmente, para disputar o Governo do Estado - ou Senado, a depender do que acontecer com Renan Filho.

O ensaio dos atores da A NOVA POLÍTICA segue o mesmo script do tradicional festival de arrumações. E os personagens são, ninguém menos, que os filhos de Renan Calheiros, Ceci Cunha, João Caldas e João Beltrão – todos conhecidos dos alagoanos, alguns do povo brasileiro.

Fazendo as contas
Renan Filho terminou a eleição como grande vitorioso. Além da expressiva votação, foi o fiel da balança para a reeleição do senador Renan Calheiros. Apostou alto quando vislumbrou fazer cabelo, barba e bigode. Aí, sim, seria o vitorioso e protagonista.

Rodrigo Cunha
Eu havia publicado aqui que seria o protagonista da eleição. E FOI. Neste caso é imprescindível separar o vencedor do principal personagem. Além de vencer em primeiro, o jovem deputado colocou 274 mil 176 votos à frente do grande nome da política de Alagoas. A você, Rodrigo, fica a dica: Mais importante que vencer é saber o que fazer com a vitória.

JHC
Proporcionalmente o deputado federal mais votado do país, precisará amadurecer no tempo certo para chegar à Prefeitura de Maceió. JHC não é o cordeiro que se apresenta, mas sabe jogar como poucos e ainda conta com a assessoria do pai, João Caldas da Silva. Duvidar da capacidade da dupla não é prudente, mas o primeiro pré-candidato a prefeito da capital precisa de um upgrade (que em português significa atualizar). Apenas para lembrar que a nuvem política se movimenta na velocidade da luz.

Marx Beltrão
Diferente do colega de ministério Maurício Quintella, terminou a eleição vitorioso e apto para novos voos. Corrigiu, a tempo, o erro (grosseiro) cometido no pré-lançamento da candidatura ao senado (para quem não lembra ou sabe, foi no dia do MDB, em Maceió, com as presenças de Temer – ainda vice-presidente -, Renan Calheiros e o staff do partido). Marx foi grande ao olhar para os lados e dar dois passos atrás. Como resultado, recompôs suas bases, ampliou a votação e está credenciado para a segunda temporada de A NOVA POLÍTICA, a ser exibida em 2022.

O Futuro de Arthur Lira
A derrota de Benedito está colocada em sua conta. E por que Benedito perdeu? A história é longa, mas o resumo é o seguinte: Arthur tinha tudo para conquistar o título de deputado federal mais votado do Brasil, mas deu JHC. Benedito era favorito para ser o primeiro senador, terminou em quarto. O erro de Arthur foi perder o foco da eleição para ajudar A, B, C, D, E e ainda querer apadrinhar a candidatura de Fernando Collor.

Arthur Lira terminou o pleito eleitoral muito menor, mas está de pé. Sua capacidade de articulação, em Brasília, com a possibilidade de presidir a Câmara Federal, é a única senha para mantê-lo entre os protagonistas. Se conseguir o objetivo a pré-temporada de A NOVA POLÍTICA (eleições de 2020) promete episódios marcantes e decisivos para 2022, com Arthur entre os protagonistas.

Em tempo:
Na política tudo passa muito rápido. Perder e ganhar... faz parte

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.