OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 23 de junho de 2017

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) é editor-geral do AL1.
14/06/2017 às 12:44

Só três federais têm candidaturas 100% confirmadas à reeleição

O giro de 360 graus, apenas com a operação Lava Jato, levantou a poeira de Norte a Sul do país. O PIB da economia brasileira e nomes de peso da política nacional conheceram, de perto, o cheiro e as acomodações do xilindró. Alguns, mais temerosos e precavidos, decidiram entregar os “colegas” e viraram 'os delatores' da pátria.

Mesmo com o descobrimento do submundo do Brasil, em 2018 continuará havendo de tudo, mas o derrame de dinheiro será bem menor. Assim sendo alguns políticos pensarão 2, 3, 4... 10 vezes para decidir para onde seguir.

Os deputados federais de Alagoas que estão fora do páreo à reeleição
Cícero Almeida já confirmou que disputará vaga à Assembleia Legislativa.

Marx Beltrão
, embalado pelo status de ministro, vai enfrentar a dura batalha ao Senado.

Quatro avaliam as possibilidades
Paulão – sem o mesmo apoio que teve dos Calheiros, em 2014, dificilmente terá chance de se manter. A ALE, onde foi o grito dos excluídos por três mandatos, é uma porta muito mais fácil de ser aberta.

Pedro Vilela – neto do menestrel das Alagoas e sobrinho do ex-governador Teotonio Vilela - tem um mandato acanhado. A campanha milionária e os apoios de 2014 são utópicos para 2018. A família também trabalha o recuo para a ALE, onde a porta está escancarada.

JHC – o jovem deputado ainda curte o recall da campanha para prefeito de Maceió. Com a explosão das delações, João Caldas da Silva, seu pai, terá mais dificuldade para atrair financiadores à campanha de federal. Rebelde, JCH sabe que pode ter dificuldade para se coligar. Por outro lado, bem avaliado nas pesquisas e plano B do bloco 45, ao governo, JHC fala aos mais próximos que topa enfrentar Renan Filho.

Ronaldo Lessa - Surpreendentemente bem avaliado para o Senado, mesmo sem botar o bloco na rua e tendo preferência pela renovação do mandato, o líder da Bancada Federal não esconde o desejo de realizar o sonho do Senado. Tal possibilidade só acontecerá se Rui decidir enfrentar Renan Filho.

O trabalho de bastidor e pré-campanha para enfrentar o grupo liderado pelo PMDB é intenso.

Com Rui ao governo, Rodrigo Cunha seria o vice, com Ronaldo de Senador. Benedito ficaria fora por motivos óbvios.

Com Rui para o Senado, JHC seria o nome a enfrentar Renan Filho. Por motivos óbvios, Benedito também ficaria fora deste cenário.

Confirmam o único plano de reeleição

Givaldo Carimbão, derrotado nas urnas para prefeito de Delmiro Gouveia, sentiu o dissabor da derrota e já avisou as bases que continuará em Brasília.

Maurício Quintella virá mais forte que nunca. Com status de ministro e bases ampliadas, tem tudo para ser o mais votado em 2018.

Arthur Lira manteve as bases e nunca pensou em mudar. Exímio articulador tem vaga garantida.

Comentários

secom-gs1
Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 3028-7338 (Redação)

© 2017 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.