OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 17 de dezembro de 2018

Artigos

28/03/2018 às 14:13

Previdências Próprias dos municípios são inviáveis

*Anízio Amorim 

O Regime Próprio de Previdência Social, que parecia inicialmente uma forma das prefeituras reduzirem em até 50% suas contribuições para a previdência dos servidores, logo se revelou um bomba-relógio nas mãos dos gestores municipais.

Hoje, sem medo de errar, podemos afirmar que o sistema não funciona na maioria dos municípios brasileiros. Em alguns deles, o arrecadado cobre somente 20 ou 30% da folha dos aposentados.

Três fatores determinaram a falência desta modalidade de previdência social nos municípios.
O primeiro deles é o resultado da Lei de Responsabilidade Fiscal, que impôs limites de gastos com pessoal no poder público. O limite é de 54%
para o Poder Executivo e 6% para o Poder Legislativo. 

Cada vez mais se contratam via serviços prestados em detrimento dos concursos. Como para cada aposentado é preciso que existam aproximadamente 10 contribuintes na ativa, esta fonte de arrecadação tem sido insuficiente.

O segundo problema vem da falta de limite para o valor pago ao aposentado. Não há teto. Alguns servidores conseguem nos últimos anos de trabalho aumentos significativos, revelando a utilização deste recurso para ampliar seus proventos.

Por último, e não menos importante, vem a má gestão desta estrutura e de seus recursos. Quando da criação desta previdência os fundos iniciais foram expressivos, mas foram minguando ano a ano. 

Sem serem corretamente aplicados, estes fundos escoaram pelo ralo. Muitas prefeituras chegaram a utilizar destes recursos para pagar a folha dos ativos.

É preciso urgentemente rediscutir o Regime Próprio de Previdência Social sob o risco de termos, em breve, milhares de aposentados sem receber seus proventos.

*vereador e superintendente da UVB Nordeste

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.