OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 19 de novembro de 2018

Direitos Humanos

29/10/2018 às 16:08

Governo do Estado lança Prêmio Alagoas de Direitos Humanos

 Hemerson Casado será um dos agraciados com o Prêmio Alagoas Direitos Humanos em, 2018 Hemerson Casado será um dos agraciados com o Prêmio Alagoas Direitos Humanos em, 2018

Ana Cristina de Moraes Sampaio

Três personalidades – sendo uma em nível nacional, e duas de Alagoas, serão homenageadas com o Prêmio Alagoas dos Direitos Humanos por seus serviços prestados em defesa da vida e demais direitos humanos em suas áreas de atuação. A premiação é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh).

O Prêmio Alagoas de Direitos Humanos visa à promoção aos direitos humanos e a disseminação de uma cultura de paz pelas ações desenvolvidas por diversos atores sociais, sejam eles autarquias, órgãos da administração pública, ONGs ou mesmo pessoas físicas e jurídicas que combatem o desrespeito aos direitos humanos nas mais diversas esferas e áreas de atuação.

Nesta primeira edição, que ocorrerá no dia 7 de dezembro deste ano, como parte das comemorações da Semana Estadual dos Direitos Humanos, o Prêmio Alagoas de Direitos Humanos será entregue, em âmbito estadual, ao médico cirurgião vascular Hemerson Casado, conhecido internacionalmente pela batalha em prol da assistência pelo SUS e planos de saúde a pessoas, que assim como ele, são portadoras da ELA – Esclerose Lateral Amiotrófica, uma doença degenerativa ainda incurável, que acomete centenas de pessoas.

Dr. Hemerson trava uma luta árdua para buscar aliados e convencer autoridades públicas da necessidade da quebra de patentes de medicamentos que chegam a custar R$ 485 mil uma única ampola, como o Spinoza, destinado ao tratamento de pessoas com Atrofia Muscular Espinhal – AME – da empresa suíça Biogen, e que são essenciais ao tratamento, mas ainda não estão disponíveis no SUS.

Uma das batalhas do médico, que convive com a doença há seis anos, é conseguir que a droga possa ser produzida no Brasil com medicamentos genéricos e acessíveis a todos os pacientes. Dr. Hemerson tem várias outras ações em defesa da saúde de pessoas com doenças raras, como a criação do Instituto Dr. Hemerson Casado Gama, para desenvolver pesquisas e tratamentos para pacientes de doenças raras. Um defensor dos direitos humanos na saúde.

Violência doméstica

Comandada pela capitã PM Márcia Danielli, a Patrulha Maria da Penha em Alagoas foi implantada em abril de 2018, pelo Governo do Estado. Atualmente conta com 35 mulheres assistidas, vítimas de violência doméstica, às quais chegam por meio de determinações do 4º Juizado de Maceió. São três equipes da patrulha que fazem rondas diárias para garantir as medidas protetivas às assistidas pelo projeto.

Graças ao empenho da capitã Márcia Danielli e equipe, a Patrulha Maria da Penha em Alagoas se destaca diante das demais em outros estados. Durante quatro meses de atuação foram realizadas quatro prisões em flagrantes em Alagoas, enquanto, por exemplo, na Bahia o serviço está implantado há três anos e foram efetuados apenas cinco flagrantes.

Pioneira no Programa de Força Tarefa de Maria da Penha, quando convocada pelo telefone 190, em casos de flagrante, presta um serviço extraordinário voluntário de Força Tarefa no atendimento específico de violência doméstica, um exemplo para as demais patrulhas, razão pela qual a capitã PM Márcia Danielle será agraciada também com o Prêmio Alagoas dos Direitos humanos.

Na categoria nacional, o jornalista Caco Barcellos receberá o Prêmio pelo reconhecido trabalho em prol dos direitos humanos ao denunciar, em matérias jornalísticas e em livros, como o Rota 66 – A História da Polícia que Mata e Nicarágua: A Revolução das Crianças, abusos de autoridades policiais e o desrespeito aos direitos humanos em suas várias facetas.

Para a secretária da Mulher e dos Direitos Humanos, Maria José da Silva, “diante das atuais circunstâncias sociais, sentimos a necessidade de agirmos, destacando e premiando o trabalho desenvolvido por estes profissionais”. “É uma forma de promover também a difusão do papel do Governo do Estado e da Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos como instrumento para o diálogo entre a sociedade alagoana e os responsáveis pelas políticas para fomento dos direitos humanos”, disse Maria.

O superintendente de Políticas para os Direitos Humanos e Igualdades Racial da Semudh, Mirabel Alves, lembra que as práticas de premiação de personalidades que lutam pelos direitos humanos já se encontram instituídas no Poder Executivo federal, bem como em vários entes federativos, além do Poder Legislativo federal e as mais representativas organizações sociais da sociedade civil. “Devemos estimular as boas práticas de promoção, consolidação, efetivação e ampliação dos direitos humanos, através deste importante instrumento que é o Prêmio Alagoas de Direitos Humanos”, lembrou Alves.


Ascom Semudh

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.