OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 13 de agosto de 2022

Colunistas

Gustavo Mata Gustavo Mata
Especialista em gestão por resultado, publicitário e documentarista.
27/01/2022 às 10:13

O “coachar” da web. Nessa lagoa, cuidado para não ficar comendo mosca...

Vamos iniciar olhando desta forma: Em todo ramo existe espaço para pessoas sérias e para os oportunistas, ok? No mundo empresarial não seria diferente. 

Acredito que concomitantemente com a criação da primeira empresa surgiram os primeiros Coaches. (Sim. O plural de Coach é Coaches). Talvez no início tenham sido chamados apenas de “Palpiteiros”, mas é inegável a importância e a contribuição que os profissionais sérios deste ramo (e tem muitos) promoveram e promovem no mundo empresarial. Mas qual é de fato o problema? 

O problema pode ser encontrado no nosso novo modelo de comunicação, e porque não falar: nosso atual modelo mental. Nada contra as novas ferramentas de comunicação, muito ao contrário, mas a impessoalidade nas relações que assola o mundo das redes sociais, falta de critérios (tanto do leitor quanto do emissor), falta de responsabilização pelo que se diz, além das famosas “fake news”, que também invadiram as empresas através da internet, causam inúmeros e sérios problemas. Obs.: Com ênfase na falta de critérios, pois essas causam mais problemas que todas as outras somadas.

Basta abrir qualquer um dos apps sociais atuais (youtube, instagram, etc...) e lá estão eles: os Coaches online. Também nada contra usar as redes sociais para fazer propaganda dos seus serviços (aliás, eu mesmo faço isso), mas já pararam para ver, na real, o conteúdo de muitos dos anúncios? Como é bom de ver, pois tudo tem uma receita pronta, com resultados espetaculares e crescimento garantido. E a realidade de cada organização, onde fica? O grande problema, de fato, é que as empresas aderiram a onda. Lógico! Se não houvessem aderido, não haveria espaço para a enxurrada de novos “gurus” online com suas soluções mágicas. 

Agora falando diretamente para você, empresário. Cada empresa é uma empresa, assim como cada pessoa é um mundo (metaforicamente). É lógico que existem fórmulas, mas cada empresa pede uma adaptação diferente a elas, por quê? PORQUE CADA EMPRESA É DIFERENTE! Simples. 

A solução? Procure saber quem você está contratando para guiá-lo nos rumos da sua empresa. Converse, pondere, avalie e aí sim: contrate. Assim como você não confiaria seu carro e sua vida à um motorista que aprendeu a dirigir jogando videogames do Super Mário Kart, não confie a sua corporação à profissionais que lhe entregam apenas um conhecimento superficial e metafórico e que prometem soluções mágicas (aproveito pra deixar claro que elas não existem), sem mesmo nunca ter pisado em sua empresa ou até mesmo em nenhuma outra. 

Esteja atento para não cair no conto do “guru”. Nunca subestime o poder da avaliação in loco e de analisar individualmente cada situação. Fique ligado no “Coachar” da web. Essa lagoa está cheia de sapos... Cuidado para não terminar comendo moscas.

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2022 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.