OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 14 de dezembro de 2018

Cultura

05/10/2018 às 11:12

Livro de sociólogo traça perfil de cortadores de cana de Alagoas

Livro do alagoano Lúcio Verçoza reuniu seu trabalho acadêmico realizado com cortadores de cana Livro do alagoano Lúcio Verçoza reuniu seu trabalho acadêmico realizado com cortadores de cana

Márcia Alencar 

O livro Os homens-cangurus dos canaviais alagoanos: um estudo sobre trabalho e saúde, do sociólogo Lúcio Vasconcelos de Verçoza, editado pela Editora da Universidade Federal de Alagoas (Edufal), será lançado em Maceió na sexta-feira, 19 de outubro, a partir das 19h, no Complexo Cultural Tetro Deodoro. A obra é resultado da premiação de melhor tese sobre os fenômenos relacionados ao mundo rural brasileiro/Rede de Estudos Rurais, no doutorado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), recebendo o Prêmio Maria de Nazareth Baudel Wanderley, em 2016.

O professor universitário é graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Alagoas, mestre e doutor em Sociologia pela UFSCar e integra o Grupo de Pesquisa do CNPq Terra, Trabalho, Memórias e Migração. “O principal desafio da tese foi articular duas perspectivas de análise - saúde e sociologia - que costumam caminhar separadas”, diz o autor. No caminho, foram sendo conhecidos vários trabalhadores e ex-cortadores de cana, que conviviam com dores, cãibras, cicatrizes no corpo e na alma. “Os relatos eram recorrentes”, comenta Lúcio, explicando que grande parte desses trabalhadores não consegue mais se empregar no corte da cana. “Existem enormes dificuldades para se comprovar o nexo casual entre o trabalho e o adoecimento”, completa.  

A pesquisa analisou a saúde física dos trabalhadores canavieiros, articulada ao sofrimento moral e psíquico, visando contribuir para as reflexões sobre a relação entre o trabalho do corte de cana e o adoecimento dos trabalhadores. O estudo comprova que excesso de trabalho e jornadas de até 11 horas elevam a carga cardiovascular e provocam “distúrbio hidroeletrolítico” nos cortadores.

Homens-cangurus

Esse “distúrbio hidroeletrolítico” é o “canguru”, que nos canaviais paulistas é chamado de “birôla”, fenômeno extremo de perda de controle sobre os movimentos do corpo. “Trava braço, barriga e perna. Alguns chegam a ter cãibra até na língua. A pessoa fica imobilizada, com o braço colado junto ao corpo. Daí o nome canguru”, explica o sociólogo, que ressalta: “nos canaviais de Alagoas, a exploração é levada ao extremo, anulando até o futuro do trabalhador. Muitos ficam incapacitados ainda em idade produtiva”.

Segundo Lúcio Verçosa, o “canguru” é resultado de fatores sociais que escrevem a história de Alagoas. “Essas pessoas vivem, infelizmente, a vida inteira sob a ponta do facão”, alerta. O livro pode ser encontrado na Editora Universitária, que tem sede no Campus A. C. Simões e duas extensões: Espaço Cultural, na Praça Sinimbú e Campus do Sertão, em Delmiro Gouveia. Também é possível encontrar no site www.edufal.com.br .                         





Fonte: Ascom Ufal

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.