OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 20 de outubro de 2018

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
14/06/2018 às 08:27

Episódio 1 – O demônio tomou conta da Santa Casa, em Maceió

Modelo de gestão, com destaque no Fantástico, a Santa Casa de Misericórdia de Maceió é uma daquelas beldades estilo Denorex: parece, mas não é.

Vale ressaltar que a estrutura, a roupagem e o discurso são de excelência, mas falta alma naquele espaço. Aliás, na Casa que salva vidas falta harmonia há muito tempo. Agora, sem os batimentos de centenas de corações, a Santa Casa também perderá a essência filantrópica.

O anúncio do cardiologista José Wanderley Neto, com mais de 45 anos salvando vidas e formando salvadores de vidas naquele espaço, resume tudo: O demônio tomou conta da santa casa de misericórdia de Maceió.

Para os milhares de pacientes e familiares atendidos pelo Instituto de Doenças do Coração, o DESPEJO é o reconhecimento pelo serviço prestado há mais de quatro décadas, com 40 transplantes cardiológicos, 20 mil cirurgias e formando mais de 80 cardiologistas que atendem a população pobre de Alagoas, através do combalido Sistema Único de Saúde (SUS).

A decisão de encerrar uma missão iniciada há mais de 40 anos é atribuída ao provedor Humberto Gomes de Mello...

Episódio 2 – Cadê a mobilização?

O despejo do Instituto de Doenças do Coração não aconteceu da noite para o dia. O ataque começou com a redução nas cirurgias do SUS. Em 2015 o centro cirúrgico foi fechado. Os sinais de guerra contra a vida de pessoas humildes foram ficando mais fortes quando alguém determinou que houvesse apenas uma cirurgia semanal.

A experiência da equipe comandada por José Wanderley Neto manteve o instituto vivo, mas os salvadores de vidas humildes não são mestres na articulação. É por isso que o DESPEJO ACONTECERÁ.

Episódio 3 – Onde estão todos?

Se não houver mobilização mais de 100 corações de médicos, enfermeiros, assistentes sociais e administrativos deixarão de bater DIARIAMENTE na Casa Santa. Outros cem corações de pacientes e outros tantos de familiares e amigos também deixaram os corredores menos humanizados.

A estrutura ampliada e melhorada ao longo dos anos, com condições de infraestrutura equivalentes aos melhores centros cardiológicos da região, com controle da homodinâmica e UTI no centro cirúrgico não valeram de nada, pelo menos para a direção da Santa Casa de Misericórdia de Maceió.

Infelizmente, a Santa Casa vai dar outra destinação para isso aqui, e nós estamos arrumando aqui as coisas. Estamos sendo despejados. É um sentimento de perda, né? Porque a Santa Casa tem 160 anos e estou aqui, se contar com a época de faculdade e tudo, há mais de 45 anos. Mas a Santa Casa permanece. Os dirigentes passam e essas coisas, depois, serão reparadas”, disse José Wanderley, em vídeo que circula pelas redes sociais.

O silêncio - DE TODOS, neste momento, soa como covardia generalizada.

Com a palavra, além do Conselho Regional de Medicina, pacientes e seus familiares, os senhores...
Renan Filho
Renan Calheiros
Benedito de Lira
Fernando Collor de Mello
Deputados federais
Deputados estaduais
Prefeitos
Vereadores
Desembargadores
Ministério Público...
e os que ainda não precisaram, porque não sabemos o dia de amanhã.



  

Comentários

Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação)

© 2018 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.