OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 28 de fevereiro de 2020

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
10/01/2020 às 10:20

Onde estão Manoel Gomes de Barros e Cícero Almeida? Eles terminaram seus governos com aprovação na casa dos 75%

Manoel Gomes de Barros, o Mano, assumiu o governo após a renúncia de Divaldo Suruagy, em julho de 1997.  Era o pior momento do Estado, com salários em atraso, suicídios, homicídios, crimes de mando e nenhuma capacidade de investimento. O final trágico de um líder político carismático, que respirava política. Divaldo Suruagy governou Alagoas por três vezes: 1975 a 1978, 1983 a 1986 e 1995 a 1997. Era experiente e sucumbiu vítima de uma traição generalizada que inviabilizou o estado e tirou do poder o até então grande nome da política alagoana.

Mano assumiu com o estado esfacelado. Em menos de 18 meses promoveu o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) dos servidores públicos estaduais, colocou os salários em dia, diminuiu drasticamente o número de homicídios e seu governo desbaratou a gangue fardada, grupo criminoso composto por policiais militares.

O resultado foi que Mano, político de pulso firme (do tipo coronel), chegou para a reeleição com a gestão aprovada por mais de 70% dos alagoanos. Tinha a seu lado mais de 70% do PIB político estadual, mas o vitorioso foi Ronaldo Lessa, que vinha de uma ótima administração na prefeitura de Maceió. Mano era o favorito, pelo composto da obra, mas sua aprovação e o capital político não foram suficientes. Depois da derrota, Mano tentou retornar à Prefeitura de União, com o apoio do então prefeito Kil de Freitas, o governador Teotonio Vilela e o vice Thomaz Nonô, os senadores Renan Calheiros e Biu de Lira, 8 deputados federais e 25 estaduais. Perdeu para o médico Beto Baía.

O fenômeno da capital
Dos famosos programas policiais viraram político Cristiano Matheus, Jeferson Moraes, Oscar de Melo e Wilson Junior. Todos na onda gerada por Cícero Almeida, que vinha de vitórias seguidas para vereador da capital, deputado estadual e prefeito de Maceió, com a maior aprovação já vista. Na reeleição humilhou a todos e venceu o "resto do mundo" com 81% dos votos válidos.

Em 2010 o prefeito perdeu o bonde, deixou o cavalo passar selado e ele mesmo se traiu, quando se acovardou a seguir quebrando paradigmas. Disputou a eleição para deputado federal, em 2014, com a expectativa geral de bater recordes de votos. Venceu no apagar das luzes, com votação pífia para seu potencial e recall dos mandatos aprovados na capital. Em 2018 retrocedeu ainda mais e foi humilhado nas urnas, principalmente com votação vexaminosa em Maceió.

Onde estão Mano e Cícero Almeida AGORA?

- Mano segue trabalhando diuturnamente para encerrar a carreira como prefeito de União dos Palmares, onde iniciou sua vida política na década de 70. Não é fácil.

- Almeida também quer ressurgir por onde começou, em 2000. Será candidato a vereador em Maceió. Muitos não acreditam. Ele não desiste.

Moral da história
Ter a gestão bem avaliada “ajuda” e “atrapalha”. É muito mais complicado quando o aliado ganha perdendo. Entendeu, Renan Filho? Sacou, Rui Palmeira? 

Comentários

181
Natura
Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2020 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.