OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 16 de junho de 2021

Artigos

11/01/2021 às 13:54

Crônica: O rei que não assoviava

Rodrigo Alves de Carvalho (*)

Lá na época medieval existia um rei que se considerava o maior artista de todos os reinos. Uma vez por semana todos os súditos eram obrigados por lei a se reunirem na praça central onde o rei se apresentava cantando, representando, dançando, declamando poesias... 

Após as apresentações um de seus secretários gritava: 

- Viva o rei! 

E sob olhares de guardas armados, as pessoas tinham que gritar: 

- Viva! 

Certo dia, o rei iria cavalgar e ao observar o cavalariço assoviar para chamar um dos cavalos, tentou fazer igual; apenas vento saiu de seus lábios. Ele tentou várias vezes, mas não conseguiu nem um assoviozinho. 

Mais que imediatamente o monarca convocou os melhores assoviadores dos quatro cantos da terra para lhe ensinar a nobre arte do assovio. 

Entretanto, por mais que tentasse, o rei não conseguia aprender. Irado e sem paciência, o sanguinolento déspota mandava cortar a cabeça de cada um dos assoviadores que fracassavam no ensinamento. 

Logo a notícia de que o grande rei que se considerava um dos melhores artistas do mundo e não sabia dar um simples assovio correu todo o reino. 

As pessoas caçoavam o rei e por todo lugar ouvia-se assovios sarcásticos. 

Enfurecido e fora de si, o rei baixou um decreto que proibia quaisquer pessoas de assoviar em seu reino. Quem fosse pego assoviando teria a língua cortada para nunca mais produzir som algum com a boca. 

A barbárie então se instalou. Foi um festival de línguas dilaceradas, pessoas distraídas a tomar banho e assoviando eram carregadas nuas até a praça e extraída a língua com um alicate. Até mesmo ao passar uma moça bonita e um pedreiro assoviar, era motivo para mais línguas fora da boca. 

Num dia ensolarado e seco, o rei saiu até a janela para sua cusparada matinal, mas devido à secura da boca, quando foi cuspir, assoviou. 

Admirado com sua façanha, tentou de novo e novamente assoviou. Dessa forma passou o dia inteiro assoviando. 

O decreto da proibição do assovio caiu e o rei novamente alegre com seus dons artísticos convoca todos do reino para mais uma apresentação. Estava com saudades de ouvir os aplausos e as saudações para sua pessoa real. 

Durante mais de uma hora o rei assoviou e assobiou. Após a apresentação o secretario gritou para o grande público presente: 

- Viva o rei! 

Mas não se ouviu nada. Todos quietos olhando o palco. O rei confuso pergunta qual o motivo do silêncio e um dos guardas responde: 

- Eles não podem saudar vossa Majestade pois estão todos sem língua. 

(*) Nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores. 


Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2021 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.