OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 03 de março de 2024

Notícias

09/02/2024 às 17:11

Infectologista orienta foliões sobre os riscos de contrair a doença do beijo durante o carnaval

A falta de diagnóstico e tratamento correto podem levar a graves complicações. Neide Brandão / Ascom Sesau A falta de diagnóstico e tratamento correto podem levar a graves complicações. Neide Brandão / Ascom Sesau

Neide Brandão

O carnaval é uma época propícia para a propagação da chamada “doença do beijo”, conhecida como mononucleose. Por isso, a infectologista do Hospital Geral do Estado (HGE), Angélica Novaes, orienta sobre os cuidados que os foliões mais “animadinhos” devem ter nos dias de folia.

Angélica Novaes explicou que a mononucleose infecciosa é uma infecção viral que acomete, principalmente, adolescentes e adultos jovens, entre 15 e 25 anos. A transmissão pode ocorrer por transfusão de derivados de sangue, mas é mais comum por meio do beijo. “A transmissão é facilitada porque os sintomas podem aparecer em até três dias depois da contaminação. E os mais comuns se parecem com os da gripe, febre, dor de garganta e aumento de linfonodos (conhecidos como gânglios ou ínguas) na região do pescoço. Herpes, sífilis e sapinho, apelido da candidíase oral, também são transmitidos pelo beijo”, explica a médica.

A infectologista do HGE orienta que, ao observar qualquer sinal ou sintoma, é necessário procurar uma unidade de saúde o mais rápido possível para uma avaliação. Ela explica ainda que só um profissional da área da saúde pode avaliar adequadamente o caso e adotar as medidas para proceder com o diagnóstico e tratamento.

Em sua forma grave, a mononucleose pode levar a complicações neurológica, como encefalite, convulsões, síndrome de Guillain-Barré, neuropatia periférica e meningite viral.

“A falta de diagnóstico e tratamento correto podem levar a graves complicações. Por isso, é necessário primeiro adotar as medidas de prevenção e, após o Carnaval, caso surjam sintomas, procurar a unidade de saúde mais próxima da residência para que um profissional de saúde possa identificar se é mononucleose e adotar as medidas para realizar o tratamento adequado", enfatiza Angélica Novaes.


Fonte: Ascom Sesau

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2024 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.