OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 27 de maio de 2024

Colunistas

Arnóbio Cavalcanti Arnóbio Cavalcanti
Doutor em Economia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, HHESS, França. Professor da Universidade Federal de Alagoas com linhas de pesquisa em Finanças Públicas, Economia do Setor Público, Macroeconometria e Desenvolvimento Regional.
20/03/2024 às 06:55

A economia brasileira contada em tópicos

Episódio 1: Do apogeu do café ao golpe militar de 1964

MODELO AGRO-EXPORTADOR (1500 – 1929)

O Brasil foi, até a primeira crise internacional de 1929, um país mono-exportador de produtos primários. A cultura do café foi praticamente a principal fonte de obtenção de divisas internacionais, e só a partir do seu cultivo foi que a agricultura brasileira passou a ser diversificada.

Nos quase 430 anos de vigência desse modelo, a máxima era que no Brasil “em se plantando, tudo dá”. A ideia era que toda riqueza brasileira seria suprida pela extração de produtos primários, o que provocou a existência de vários “ciclos” na economia brasileira. Trata-se do modelo AGRO-EXPORTADOR.

O primeiro foi o ciclo do Pau-Brasil, passando pelo da cana-de-açúcar, do ouro, da borracha, até atingir, na segunda metade do século XVII, o ciclo do café.

Foi durante o ciclo do café que o Brasil passou a montar sua infraestrutura econômica e estimular o desenvolvimento do emprego assalariado, com sua economia voltada para o mercado interno. O excedente do comércio do café permitiu a importação de bens de capital e de bens intermediários para uma futura substituição das importações.

MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTISTA NO PERÍODO 1930-1964

A crise dos anos 1930 atingiu em cheio o principal produto de exportação brasileira, o café, que associado aos movimentos políticos internos, abriu-se as portas para a mudança de orientação do modelo econômico brasileiro. Começa a ganhar corpo, no Brasil, a ideia de estado produtor de bens e serviços. Dá-se início, assim, a primeira fase da implantação do modelo NACIONAL-DESENVOLVIMENTISTA, que tinha como objeto a implantação de uma indústria nacional com foco na produção nacional de bens que eram importados.

Vale destacar que a industrialização brasileira foi considerada tardia se comparada à economia dos países centrais, pois somente se iniciou quase 200 anos depois da Revolução Industrial.

Sob o aspecto histórico, esse período foi marcado por três golpes de estado. O primeiro, em 1930, que resultou a ditadura Vargas, em 1937, produzindo assim a implantação do “Estado Novo” e, consequentemente, o fim da República Velha. Por 15 anos consecutivos, Getúlio Vargas esteve no comando do poder político e econômico país. Com a destituição de Vargas, em 1945, dá-se início a “Terceira República”. Por fim, em 1964, veio então o terceiro golpe e a implantação da Ditadura Militar, que se estendeu até a primeira metade dos anos 1980.

Nesse período, parte dos grandes grupos agroexportadores decidem investir em indústrias voltadas a bens de consumo interno.

O governo federal passou oferecer fundos públicos para financiar a industrialização, bem como utilizar as receitas obtidas das exportações do café para fomentar o desenvolvimento das atividades, tanto para o setor agroexportador, como também para o setor urbano - comerciais, financeiras e transporte -  e de bens de consumo. Estava decretada no Brasil a luta entre uma burguesia industrial emergente e a oligarquia agrária declinante e dividida.

De fato, com a tomada de poder de Getúlio Vargas nos anos 1930, fez-se emergir no país uma onda de sentimento desenvolvimentista. Foi introjetado no também a ideia de que, para que a economia brasileira possa se desenvolver, era necessário a existência de um setor público forte e intervencionista.

Iniciou, com isso, um período populista baseado voluntarismo econômico nacional. Por fim, convém destacar que com o golpe de estado, em 1964, os militares mantiveram o modelo de industrialização, desta feita, com forte proteção da indústria nacional.

Será que o contexto econômico vivido pelo Brasil nesse período está se reproduzindo na atualidade?

Esse assunto será tratado nos próximos episódios.

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2024 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.