OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 26 de maio de 2024

Colunistas

Arnóbio Cavalcanti Arnóbio Cavalcanti
Doutor em Economia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, HHESS, França. Professor da Universidade Federal de Alagoas com linhas de pesquisa em Finanças Públicas, Economia do Setor Público, Macroeconometria e Desenvolvimento Regional.
08/04/2024 às 11:03

Teoria das antecipações racionais: como os empresários, consumidores e investidores agem na economia?

O estudo de previsão de cenário futuro é um dos campos mais importantes da economia. Atualmente, no Brasil, empresários, consumidores e/ou investidores só costumam tomar suas decisões levando em conta estudos do cenário macroeconômico produzidos por diversas instituições de pesquisa do país. Para o governo, esse corolário também é verdadeiro (“governar é prever”).

Vale destacar que, antes de Keynes (anos 1930), os estudos de previsão não tinham tamanha importância. Acreditava-se na lei de Say: que bastava ofertar (produzir) bens na economia, que o mesmo era absorvido pelo mercado. O preço dos bens, consistia assim, o melhor mecanismo para regular a economia, igualando a oferta com a demanda.

Demanda efetiva
Keynes muda completamente a teoria até então vigente. Ele introduz o conceito de Demanda Efetiva, invertendo o conceito da lei Say: “não é a oferta que cria sua própria demanda. É a demanda efetiva que cria sua própria oferta”. Esse conceito perdurou durante o pós-guerra.

Os neoclássicos acreditavam, por exemplo, que a quantidade de emprego era definida pelo valor do salário pago. Para eles, os empresários estão sempre propensos a investir quando o custo da mão-de-obra está baixo.

Keynes, ao contrário, mostrou que a economia não funciona bem assim com os neoclássicos pensavam. Se os salários pagos pelos empresários forem baixos, não vai haver consumidor (trabalhador) para comprar os produtos ofertados pelas empresas, com a economia entrando em recessão. Para ele, os empresários decidem investir em função da expectativa das suas vendas futura (Demanda Efetiva).

As antecipações (previsões) dos empresários são racionais? Keynes tem dúvidas disso. Em se trados da decisão de investir, os empresários agem pelo seu “espírito animal”, na expectativa imediata de melhores resultados.

As antecipações adaptativas
Nos anos 1960, os neoclássicos aportam o conceito de antecipações, trazendo um forte questionamento para as teses keynesianas.

Para Milton Friedman, os agentes econômicos são capazes de prever progressivamente as mudanças de preço e salários. Eles sentem quando os aumentos dos preços no mercado estão aumentando e começam reivindicar melhoria dos seus salários (antecipações adaptações).

Antecipações racionais
Os discípulos de Friedman, os economistas J. Muth e R. Lucas (prêmio Nobel 1995) foram mais longe que seu mestre. Para eles, os agentes econômicos só tomam suas decisões utilizando as informações disponíveis no mercado, consideradas como racionais. Raros são os casos em que os agentes econômicos (empresários, trabalhadores e governo) erram suas previsões.

Todos os agentes econômicos têm acesso a todas as informações disponíveis e, por isso, os indivíduos não cometem erros sistemáticos ao fazer previsão sobre o futuro. De fato, as pessoas aprendem rapidamente os mecanismos do comportamento da economia, razão pela qual, podem normalmente antecipar assuas decisões e se adaptarem às mudanças nas circunstâncias econômicas quando elas estão acontecendo.

A teoria de antecipações racionais conclui, portanto, pela ineficiência das políticas econômicas (orçamentário, monetária e fiscal).  Elas não seriam capazes de gerar alterações no produto da economia, somente mudanças nos preços. Os agentes econômicos estão sempre procurando entender a movimentação dos mercados, tomando decisões racional, visando neutralizar os efeitos negativos que venham afetar seus interesses.  

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2024 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.