OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 13 de julho de 2024

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
12/06/2024 às 10:00

O silêncio preocupa e o novo fenômeno eleitoral de Alagoas também

O regime é democrático, mas o sistema nacional é tirano. Boca fechada não entra mosquito. Então vamos no que é possível.

A nova onda das eleições 2024, em Alagoas, é o fenômeno da candidatura única para prefeitos que vão à reeleição. Em pelo menos 10% dos municípios do Estado deve ser assim.

Você sabe: o sistema é bruto, mas tolera laranjas na majoritária.

Veja alguns exemplos onde a reeleição é barbada.

Olho d’Água das Flores (o ex-prefeito Nen desistiu e Zé Luiz deve ficar sozinho)

Major Izidoro (Theobaldo Cintra e Ítalo Amaral formaram a dobradinha que uniu todos os partidos e vereadores)

Coruripe (Marcelo Beltrão conquistou apoio MDB, Marx Beltrão e Klécio da Pindorama)

Inhapi (Morcego desistiu e deverá disputar para vereador, com Tenorinho livre)

Delmiro Gouveia (Padre Eraldo foi julgado pelo TRE e deve ficar inelegível)

Ibateguara (Géo Cruz é candidato de consenso entre todos os grupos)

Jundiá (Jorge Galvão, muito bem avaliado, puxou a oposição)

Branquinha (Neno Freitas, com apoio da família Calheiros. É um contraponto aos lados que duelam em Murici)

Atalaia (Ceci surfa sozinha na onda do Rio Paraíba mesmo. Chico vigário deve lançar filho vereador)

Cacimbinhas (Vaval Wanderley será o nome de consenso entre Dr Wanderley e Dr Jorge)

Ou seja. Teremos 10 prefeitos 100% (?). Em Maceió e Arapiraca é cumprir tabela. 

Já o silêncio em outras localidades preocupa. Ah!!! Boca fechada não entra mosquito. 

Fique com o que é possível.

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2024 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.