OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 27 de outubro de 2021

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
28/11/2019 às 00:40

Preferência de Rodrigo por JHC é pessoal, não política

Sabe aquela parábola que diz: amigos, amigos, negócios à parte? Pois é, cai perfeitamente para o que acontece na política, principalmente nos momentos de definição.

Nesse contexto, a publicação do jornalista Edivaldo Júnior, em seu blog no Gazeta Web, sobre a preferência pessoal de Rodrigo Cunha por JHC à Prefeitura de Maceió, fica no campo pessoal.

Procurei o senador tucano para saber se a posição era política ou teria sido apenas uma conversa casual com Edivaldo Júnior. A resposta foi curta e reveladora: “Foi uma conversa informal, num voo”. Como não pediu off, o jornalista foi profissional e revelou a opção pessoal do senador. Parafraseando Warner Oliveira: "É assim que se faz jornalismo".

Com relação ao seu posicionamento político, Rodrigo disse que não quer falar sobre o assunto, “pois tem muita coisa para acontecer até o ano que vem”. E tem mesmo.

Ainda na ‘vibe’ de “amigos, amigos, negócios à parte (sim, a política nacional é um negócio pra lá de desafiador), o prefeito Rui Palmeia sabe que só terá chance de ser competitivo em 2022, para o governo do Estado, se vencer VENCENDO em Maceió. Entre os tucanos não há (pelo menos até agora – mas a política é dinâmica) nome competitivo. Se a decisão de Rui for por amizade, será Eduardo Canuto e por proximidade, Kelmann Vieira (um parceiro na Câmara). Mas como o negócio é promissor, o prefeito da capital sabe que precisa apoiar um candidato competitivo, se possível testado e aprovado no executivo e com recall de cumprimento dos acordos. É aí onde Davi Davino Filho toma uma goleada de Ronaldo Lessa, agora em carreira solo e focado no protagonismo. O jovem deputado é um produto do meio político paralelo, com ramificações no grupo de sustentação de Rui Palmeira.

O PSDB tem planos para 2022, seja com Rui Palmeira, Rodrigo Cunha e, acredite, Teotonio Vilela Filho. Vencer em Maceió com JHC é indicativo de pré-derrota para Rui e Teotonio, com possibilidade de drible da vaca em Rodrigo. Com os Calda’s não se brinca (politicamente falando).

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2021 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.