OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 23 de junho de 2024

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
30/12/2016 às 13:00

Decele Damaso assume Coqueiro Seco com a missão de “cuidar das pessoas”

Decele, com o esposo Gilvan Almeida, nunca desistiram de cuidar de Coqueiro Seco Decele, com o esposo Gilvan Almeida, nunca desistiram de cuidar de Coqueiro Seco

Coqueiro Seco, na região metropolitana de Maceió, tem pouco mais de 5.500 habitantes. Esquecido pelos gestores, em 54 anos de emancipação, o pequeno lugarejo, banhado pela Lagoa Mundaú e com características de povoado, é dono de um cenário gastronômico, artístico e cultural ainda desconhecido da maioria dos alagoanos. Aliás, se perguntarmos quem sabe onde fica Coqueiro Seco é bem provável que o entrevistado diga... “não sei”. Mas fica bem ali, coladinho com Maceió.

O município, administrado até às 11h do próximo domingo por Tadeu Fragoso, sofreu com seu modelo individualista. Eleito três vezes prefeito, ele não conseguiu garantir identidade, visibilidade e reconhecimento à cidade, sua cultura e seus artistas. Na verdade, o modelo Tadeu Fragoso tirou de coqueirenses e visitantes até o direito de terem um acesso pavimentado à bela cidade, que tem no povoado Cadoz ótimas opções e uma rica gastronomia.

Coqueiro Seco, se você não sabe, não tem feira livre, não tem mercado de carne ou cereais, nem posto de combustíveis. Indústria? Até hoje, nem pensar. A dependência do Poder Público foi o grande trunfo do prefeito prestes a sair e não voltar.

Saúde, Educação e Social são desafio de qualquer gestor e não será diferente em Coqueiro Seco, que será comandado pela professora Decele Damaso, com vasta experiência em gestão. Ela apostará no conceito de qualidade de vida, garantindo o acesso das pessoas ao Poder Público e o incremento dos artistas – a maioria desconhecidos – no cenário estadual. Também para quem não sabe, Coqueiro Seco tem entre suas riquezas folguedos da cultura alagoana, com Grupos de Pastoril, Reisado, Chegança, Marujada, Guerreiros e Baianas.

A partir das 11h do próximo domingo, Coqueiro Seco dará um passo importante para entrar na vida dos alagoanos. Coqueiro Seco existe. Você precisa conhecer.

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2024 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.