OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 16 de junho de 2021

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
06/06/2021 às 20:29

Caboclo acusado cai; outros caboclos, também acusados, indiciados, réus e condenados, permanecem e até julgam

Não é preciso acionar o VAR. A jogada que tirou Rogério Caboclo da presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) perde a legalidade pela imoralidade do lance.

Rompido com a Rede Globo e próximo de Bolsonaro, ele virou bode expiatório. Acusado por uma funcionária da CBF de assédio sexual e moral, Caboclo terá os 30 dias de afastamento para provar inocência.

Sem entrar no mérito do lance judicial, o caso levanta uma lebre interessante: O Brasil sabe que há dezenas de políticos, juízes, desembargadores, ministros de Estado, do STJ, do STF e também presidentes de federações esportivas, por exemplo, acusados, ou citados, ou indiciados e há até condenados que gozam dos cargos no exercício da função.

O caso do Caboclo afastado escancara a máxima dos dois pesos e duas medidas.

Não duvido da funcionária, mas tenho a impressão de que a jogada foi uma tabela perfeita da mídia global com a política oposicionista a Bolsonaro. É aí onde a legalidade da denúncia é prejudicada pela imoralidade das intenções.

Neste caso, a regra NÃO É CLARA.

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2021 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.