OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 27 de setembro de 2021

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
29/07/2021 às 08:52

O poder controla as bases, mas não garante o voto

Foi-se o tempo em que o homem era o tutor da casa. O tempo onde Tim Maia embalava gerações ao som de Vale Tudo, menos dançar homem com homem, nem, mulher com mulher.

Os tempos são outros. Direitos iguais em casa e nos relacionamentos.

Em 2018, por meio das urnas, o povo brasileiro disse: agora vai ou racha

Bolsonaro nunca foi a melhor opção para nada, mas representava o fim das amarras ao sistema dominado por PT, MDB, PP, PSDB e seus braços, denominados de partidos hospedeiros e nanicos.

Para mim Bolsonaro superou as expectativas (que eu tinha dele, como comandante da nação). O Brasil precisava de um freio de arrumação para que as pessoas tivessem a visão do extremo e, a partir dai, decidir por qual caminho seguir.

2022 está chegando, trazendo as sequelas de 20 e 21, com a pandemia. É preciso que cada um de nós seja firme para reconhecer quem foram os amigos das horas incertas.

Na nova definição de poder entrou a capacidade de impor, de mandar e de submeter os outros à própria vontade.

Neste caso, como ficam os nossos direitos?

Anote aí: As urnas vão dizer, novamente, que o poder continua controlando as bases. Mas não garantirá o voto (na maioria dos currais).

Ou seja: Quanto mais políticos decepcionantes juntos, maior a rejeição nas urnas.

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2021 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.