OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 27 de outubro de 2021

Colunistas

Wadson Regis Wadson Regis
Jornalista profissional, formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), é editor-geral do AL1.
28/03/2017 às 08:53

Qual é o cargo mais cobiçado às eleições de 2018? Eu sei!

O mundo fantástico da política é um espetáculo – de tudo. O presidente Michel Temer, com cadeira cativa na Câmara Federal, representando São Paulo, disse que jamais pensou em ser presidente do Brasil. Não interessa as circunstâncias, ele é o presidente.

Em Alagoas Renan Filho disse, durante toda campanha eleitoral, que passou a vida se preparando para ser governador de Alagoas. Aí está.

Mas ninguém, em sã consciência – se é que existe na política – sonhou com a possibilidade de ser vice. Pois é, nas eleições de 2018 a vaga mais cobiçada já é, acredite, a vaga de vice-governador na chapa de Renan Filho. Não é campanha antecipada, é sobrevivência ou oportunidade política. 

Citarei apenas dois exemplos de oportunidade: o engenheiro Luís Abílio, com Ronaldo Lessa e o médico José Wanderley Neto, com Teotonio Vilela. José Thomaz Nono, na reeleição de Teotonio e Luciano Barbosa, no governo atual, representam a sobrevivência política.

Para 2018, pelo desenhar do cenário, tudo pode acontecer. Dentro do PMDB tem o fogo-amigo torcendo pelo tropeço de Renan Calheiros, lá por Brasília. Soma-se a isso a torcida da oposição, que já sabe: só terá disputa se o líder do PMDB cair.

Esta é a mesma lógica para a possível candidatura de Rui ao Governo. Bem avaliado em Maceió ele sabe que só terá chance com o mesmo tropeço de Renan Calheiros.

Partindo para o cenário da normalidade, com Renan Calheiros candidato ao Senado, os Renan's terão pela frente uma vasta lista de concorrentes à suplência, no Senado, e a maior da história, que será pela vaga de vice-governador.

Como nem tudo é lua-de-mel, esse paradisíaco cenário para os Calheiros só terá um agravante se o melhor nome não for escolhido para a cadeira ocupada por Luciano Barbosa. Por mais que o vice-governador e secretário de Estado da Educação não queira falar, seu caminho natural, pela sobrevivência política, será recuperar o espaço perdido em Arapiraca.

Os Calheiros conhecem como poucos – em Alagoas conhecem como ninguém – o caminho das pedras.

Se para o senador Renan Calheiros resolver o impossível é tarefa fácil, imagine fazer o dever de casa.

Só para justificar, nomes que despontam para o Senado e até para o governo já trabalham intensamente pela vaga de vice. Tudo porque estão dando o passo maior que as pernas. Outros, menos ousados e com potencial, já mudaram de lado. Por que será? 

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2021 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.