OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 20 de junho de 2024

Colunistas

Roberto Boroni Roberto Boroni
Jornalista de formação e que tem a crônica esportiva no coração. Ex-assessor de comunicação do CRB, Vivi de perto a Série B para saber que ela pode ser tudo, menos fácil!
02/11/2023 às 06:58

E a arbitragem brasileira? Não falha nunca, mais uma vez os juízes são os intervencionistas do espetáculo

Foto: Reprodução Internet Foto: Reprodução Internet

Estamos chegando em reta final de definição nos Campeonatos Brasileiros das Séries A e B e o destaque não muda quase nunca, a constante e irritante Falta de Critério da Arbitragem Brasileira.

Sim, meus amigos. Não falha nunca, quanto mais o campeonato vai se afunilando, nós vamos sentindo aquela sensação reconfortante (contém ironia) de olhar os jogos e ver que todo mundo se sente prejudicado e em alguns campeonatos, uns mais do que os outros.

Não vou individualizar erro nenhum aqui, não quero transformar esse texto em algo clubista ou coisa do tipo. Tem muita gente com direito de reclamar e muito lance polêmico para ser enaltecido, mostrando que a arbitragem brasileira segue na mesma constante de ser ela a protagonista do espetáculo.

Alguém sabe explicar realmente o que é mão na bola dentro da área? De verdade? Eu não sei! Muitas vezes bate na mão e não marcam nada (posição natural, jogador estava próximo, bola não ia na direção do gol e por aí vai)...outras vezes bate na mão do mesmo jeito e tá lá mais um pênalti na marca da cal. É aflitivo, você não sabe ao certo se é pênalti ou não. E como a regra está cheio de questões interpretativas, vai do conceito de cada um, não é mesmo?

Expulsões nessa reta final é um outro espetáculo a parte. Os caras não param de ir para o VAR. Toda hora uma arbitragem intervencionista que interfere sim no jogo, colocando um time com menos jogadores em campo. E o pior, o mesmo juiz que expulsa um jogador por um lance polêmico, é o mesmo que engole (deixa passar) uns 10 cartões amarelos por jogo, aceita todo tipo de desaforo, não dá os acréscimos e quando os dá é como se fosse terra sem lei, nos acréscimos pode fazer cera a vontade.

E o pior é ver a CBF fazendo esquete de humor para explicar os lances depois de cada rodada, com a maior calma do mundo. Vem o presidente da comissão e diz “Realmente houve um erro do fulano, deveria estar mais atento no lance e...” vida que segue, águas passadas” Vai apitar dois jogos na Série B para sair de cena e depois volta a fazer raiva na Série A.

É muito pênalti absurdo. É muito pênalti não marcado que é um absurdo. Um número de cartões vermelhos que mostram o quanto os nossos juízes são intervencionistas e não conseguem usar a regra ao bom favor do jogo.

Eu de verdade sempre defendi que nós torcedores somos todos passageiros da agonia nessa falta de qualidade na arbitragem. Não vejo um lado sendo favorecido, um clube ou estado. É uma roleta russa, você pode ser derrubado a qualquer rodada.

Futebol é algo precioso para nós. É bem verdade que o juiz de futebol no Brasil, não tem ajuda de ninguém, todos só falam quando são prejudicados. Os jogadores pressionam e reclamam o tempo todo e por ai vai. Mas, em época de VAR, são erros que incomodam pela falta de critério e por um protagonismo no jogo que não vemos em outros países.

A arbitragem quer se profissionalizar? Tenho minhas dúvidas,afinal de contas, um juiz que apita dez jogos no mês, quanto ele ganha? É uma dúvida genuína que eu tenho.

O fato é que a arbitragem brasileira precisa de alguém que faça o critério aparecer nos jogos. A falta dele é o que mais me incomoda, porque claro que é uma profissão difícil e erros fazem parte.

Mas, a falta de critério e o intervencionismo estão demais. São regulares, não faltam nunca. Até quando?

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2024 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.