OPINIÃO E INFORMAÇÃO Facebook Twitter
Maceió/Al, 27 de junho de 2022

Colunistas

Roberto Boroni Roberto Boroni
Jornalista de formação e que tem a crônica esportiva no coração. Ex-assessor de comunicação do CRB, Vivi de perto a Série B para saber que ela pode ser tudo, menos fácil!
21/01/2022 às 08:38

O CRB que vai estrear me lembra o Denorex, Parece, mas não é!

Foto: Francisco Cedrim/Ascom CRB Foto: Francisco Cedrim/Ascom CRB

O time principal do CRB terá o seu primeiro desafio na temporada 2022, quando vai encarar o Sport, neste sábado (22), pela abertura do Campeonato do Nordeste, no Estádio Rei Pelé. Será um reencontro com o torcedor, que ainda cura as feridas de um acesso para a Série A que escorregou pelos dedos. O provável time titular será formado por uma grande maioria de atletas que estavam no Galo em 2021, o que poderia indicar um futebol parecido com o do ano passado. Mas, ao meu ver, e os mais antigos vão lembrar do Shampoo Denorex, que ficou famoso pelo bordão “Parece, mas não é”, Alan Aal ganhou peças para fazer o mesmo produto ter uma textura totalmente diferente.

E é isso que espero do CRB e do seu treinador para essa temporada, um CRB com um futebol diferente do apresentado, sobretudo, no segundo turno da Série B de 2021. O clube acertou em renovar com grande parte do elenco e os reforços contratados me passam a impressão que o time do CRB terá um modelo mais adequado ao discurso que Alan Aal tratou em suas entrevistas.

Eu não sei o time que vai jogar contra o Sport, mas a base não deve fugir de algumas peças fundamentais como Gum, Romão, Claudinei e Diego Torres. A grande diferença, e o que pode mudar e muito a forma do CRB encarar os seus adversários, é quem vai jogar nos lados de campo.

Posso estar completamente enganado, mas no ano passado, ao defender a titularidade de atleta como Ewandro, por exemplo, Alan Aal deixava claro como gostaria de ter extremas que possuem a função de meia armador nos lados de campo. E em 2021, o que o CRB menos tinha era jogadores com essa função. Jajá e Pablo Dyego, por exemplo, são jogadores mais agudos, que gostam do 1x1 e davam fim rapidamente em suas jogadas.

Com a chegada de Vico, Richard, Maycon Douglas e Marcinho, Alan Aal passa a contar com jogadores que podem jogar de lado e ajudarem muito na armação da equipe, sem falar na recomposição tática, algo que Jajá deixou muito a desejar ano passado. O elenco também conta a chegada de Rafael Longuine, um meia muito técnico e vertical, que ajuda a tirar o tme de trás e ataca espaço muito diferente do que o Bressan fazia.

Por falar em atacar espaço, a contratação de Yago também vai oferecer ao técnico regatiano a possibilidade de ter um segundo volante que pisa mais dentro da área, sobretudo se for comparado com Wesley.

No assunto fazer gol, Anselmo Ramon é uma excelente novidade. Todos esses fatores somados me dá a esperança de ver um CRB diferente, capaz de causar mais dano ao adversário com a posse de bola e ser mais dominante nos jogos em casa.

Eu fui a favor que Alan Aal fosse demitido na Série B do ano passado, porque era um fator que poderia ter mudado os caminhos que culminaram com o não acesso do Galo. Como o futebol está longe de ser algo matemático, já que a diretoria optou em não fazer isso, agora até acho correto que ele comece mais uma temporada no comando do Galo e corrija o que não conseguiu fazer funcionar na reta final da temporada passada.

Será um ano difícil, repleto de desafios e com uma Série B ainda mais complicada. E o Galo precisa encaixar o time o quanto antes, porque contratar após os estaduais não será barato.

Gostei de ver muitos ficarem, alguns são referência dentro e fora dos campos como Gum e Claudinei. Algumas das novas peças como Wellington Carvalho e Longuine possuem o caráter e futebol que uma Série B necessita. Agora é Alan Aal fazer a torcida esquecer o gosto amargo que ficou no final da última temporada. 

Comentários

Siga o AL1 nas redes sociais Facebook Twitter

(82) 996302401 (Redação) - Comercial: [email protected]

© 2022 Portal AL1 - Todos os direitos reservados.